07 julho 2011

UM DEVORADOR DE MUNDOS

NO CENTRO DE NOSSA GALÁXIA

Distante 27.000 anos-luz de nosso sistema solar, com estimados mais de quatro milhões de vezes a massa do Sol, um gigantesco buraco negro devasta o centro da Via Láctea. Seu formato é esférico e o diâmetro é estimado em 90 Unidades Astronômicas (UA), ou seja 90 vezes à distância Terra - Sol, ou um pouco mais além do que a órbita de Plutão. É muito grande e denso e dele nem a luz consegue escapar.


UM DEVORADOR DE MUNDOS
no centro de nossa galáxia

Esse buraco negro galático, conhecido pela alcunha de Sagitarius A* é maior que a maior estrela conhecida, a hipergigante VY Canis Majoris de raio estimado entre 1.800 a 2100 raios solares, chegando até a órbita de Saturno.

Para vermos o centro da galáxia precisamos atravessar a poeira cósmica que impede a observação em luz visível. Muitas áreas do espaço estão cheias de nuvens de gás e de poeira que a bloqueiam. A radiação infravermelha consegue atravessar as nuvens e permite observar os objetos cósmicos que antes estavam ocultos pela poeira. Assim, vemos o que antes estava oculto.

Imagem da ESO, em luz infravemelha, pelo Very Large Telescope - Chile - 2008
Crédito: ESO/S. Gillessen e equipe.
Click na imagem para página da ESO


No centro da imagem, vários pontinhos de luz dançam em torno do buraco negro, veja essa simulação retirada de vídeo da ESO (Crédito: ESO/ R.Genzel and S. Gillessen).


Embaixo, a mais próxima estrela a orbitar Sagitarius A*, chamada S2.


Temos outras imagens impressionantes do centro galático, obtidas pelo observatório orbital de raios X Chandra. A imagem mostra o remanescente de uma supernova perto de Sagitarius A * - conhecida como Sagitarius A Oriente - e os lóbulos de gás quente que se propagam de cada lado do buraco negro.
A imagem também contém diversos e misteriosos filamentos de raios-X, alguns dos quais podem ser enormes estruturas magnéticas interagindo com fluxos de elétrons energéticos produzidos por estrelas de nêutrons girando rapidamente.

Imagem do Chandra, em luz infravemelha, órbita da Terra -1999/2009
Crédito: NASA/CXC/MIT/F.K. Baganoff e equipe.
Click na imagem para página do Chandra



Nosso devorador atualmente tem pouco material para incorporar mas a dinâmica galática em algum momento vai fornecer outro banquete.


Fontes:
Chandra
Spitzer
ESO (Observatório Europeu do Sul)

7 comentários:

Teste disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Surprise Link disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Cara, imagina isso se aproximando de nós!!!
já era!

Ricardo disse...

Acredita-se que a nossa galáxia seja em espiral por causa da força de sucção desse buraco negro...

A grande maioria das galáxias tem um buraco negro no centro... E o da nossa não é o maior já visto.

Gabrielle de Castro disse...

Caramba. Adorei o seu post. os videos. o conteudo. Continue assim. :)

Paulo Cesar disse...

Parabéns pelo blog. Muito bom.

Enigma Luz disse...

Obrigado pelas palavras encorajadoras. Valeu.